REFLEXÃO SOBRE A SITUAÇÃO GEOLINGUÍSTICA DA PROVÍNCIA DO UÍGE (ANGOLA)

Autores

Palavras-chave:

Geolinguística, Uíge, Ensino/aprendizagem, Português

Resumo

O presente trabalho pretende descrever a situação geolinguística da província do Uíge, província situada a norte de Angola. Para essa pesquisa descritiva, em primeira instância delimitamo-la em torno do tema expresso, posteriormente, seleccionamos a bibliografia relevante que nos auxiliou a redigir este artigo. A presente pesquisa é de carácter bibliográfico, e, considerou a leitura, análise e discussão de diversas obras com o objectivo de apresentar aos leitores as suas implicações na aprendizagem da Língua Portuguesa. Em debate sobre o assunto, baseando-nos nas teorias cultulinguísticas, analisamos a situação geolinguística em virtude de muitos munícipes desta província não possuírem o português como a sua Língua Materna ou como sua principal língua de comunicação em contexto familiar

Referências

Cacumba J; Competências de Literacia Académica Bilingue Português/Inglês dos Graduando em Ensino da Língua Inglesa em Angola. Tese de doutoramento Universidade de Minho. Portugal. 2020.

Camara, M. Língua e cultura. Letras. Lisboa v. 4, p. 51-59, 1955.

Cardoso, S. A. Geolinguística: Tradição e Modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

Fernandes, J & Ntondo, Z. Angola povos e línguas Angola povos e línguas. Luanda editorial nzila. (2002).

Ferraz, M. J Ensino da Língua Materna. (colecção) O Essencial Sobre Língua Portuguesa. Luanda: Editorial Nzila. 2007.

Gomes, S. F. Relações entre língua oficial e línguas locais na escola: como as crianças de aldeias de Cabinda /Angola aprendem o português e em português (dissertação de mestrado). Belo Horizonte: FaE/UFMG.2014.

Lusakalalu, P. Unidades Glossonímicas: Contribuição para um estudo da diversidade linguística de Angola e Namíbia. Luanda, Editora Nzila.2005.

Kialanda, K. e Timbane.A. A Língua Lingala como língua nacional, internacional, de identidade e da cultura angolana: política linguística crítica. Ebook As línguas africanas e o português na África lusófona: reflexões, descrições epolíticas de ensino. Belem, home, 1.ed 13, nº 1, p. 83-99. 2023.

Miguel, M.H Dinâmica da pronominalização no português de Luanda. Luanda, Mayamba Editora, 2014.

Mingas, A. A. Interferência do Kimbundo no Português falado em Luanda. Lwanda. Luanda: Edições Chá De Cachinde. 2000.

Mudiambo, Q. Estudos linguísticos sobre a lexicologia e a lexicografia de Aprendizagem (Aplicada) ao Estudo da Língua Portuguesa. Lisboa: Edições Calibri. 2014.

Nzatuzola, J. Aspectos de algumas características e manifestações de migrações em Luanda. Congresso Português de sociologia, 2016.

Undolo, M. A Norma do Português em Angola: Subsídios para o seu Estudo. Caxito, ESP-Bengo. 2016.

Pêcheux, M. Análise Automática do Discurso (AAD-69) in Gadet, F. (org.). Uma Introdução à Obra de Michel Pêcheux. 3ª Ed. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1997.

Penha, M. A cultura e a lingua Lingala em contexto angolano: (des) fronteiras linguísticas. Unilab, 2023.

Pereira, L. Religião e parentesco entre os bacongo de . Luanda. Afro-Ásia, v. 47, p.11-41. 2013.

Rodrigues. V. Saussure e a definição da língua como objeto de estudos. Revel. Edição especial n. 2, 2008.

Quivuna, M. Introdução aos Estudos Linguísticos. Uíge, Gráfica Lux.2010

Zau, F. Angola: Trilhos para o Desenvolvimento. Universidade Aberta: Lisboa.2020

Saussure, F. Curso de Linguística Geral. 32ª edição. São Paulo: Editora Cultrix, 2010.

Downloads

Publicado

27-04-2024

Como Citar

NDOMBELE, E. D. . (2024). REFLEXÃO SOBRE A SITUAÇÃO GEOLINGUÍSTICA DA PROVÍNCIA DO UÍGE (ANGOLA) . Revista Sol Nascente, 12(3), 210–226. Obtido de https://revista.ispsn.org/index.php/rsn/article/view/295