USO DO ANALISADOR DE SENTIMENTO DO LINGUAKIT NO DISCURSO DA CAMPANHA ELEITORAL ANGOLANA DE 2022

Autores

Palavras-chave:

Análise de sentimento, Campanha eleitoral, Discurso, LinguaKit

Resumo

Em Angola, regista-se antes, durante e após os períodos eleitorais momentos de algumas tensões. Pensa-se que os discursos dos líderes políticos, de alguma forma, estarão na base dessas tensões. Assim, no presente trabalho, pretende-se analisar a polaridade dos discursos dos presidentes de partidos políticos de modo a perceber a relação entre os discursos e as tensões nos períodos em referência. Para a compreensão do fenómeno, recolheu-se os discursos da campanha eleitoral de 2022 de dois partidos políticos angolanos: MPLA e UNITA. O estudo obedeceu aos seguintes critérios metodológicos: (i) extração dos discursos escritos, o MPLA na página oficial do Facebook (https://web.facebook.com/PresidedaRepublica); (ii) extração dos discursos orais a UNITA do YouTube (https://www.youtube.com/watch?v=wR4b-YwQj20 ); (iii) conversão, em áudios, dos discursos extraídos do YouTube; (iv) transcrição dos áudios no EXMARaLDA Partitur Editor; (v) o uso do SentiLex (Carvalho & Silva, 2015) que serviu de seed word (Taboada, Brooke, Tofiloski, Voll, & Stede, 2011); (vi) cálculo da polaridade mediante o analisador de sentimento do Linguakit (Gamallo & Garcia, 2017). O corpus que serviu de base de análise está constituído por dez discursos, cinco para cada um dos partidos, formando um minicorpus de 29 457 palavras. Os resultados mostram que há mais palavras positivas do que negativas nos discursos analisados. A abundância de palavras com polaridades positivas permite concluir que as tensões podem ter outras motivações.

Referências

Águeda, M., Rita, P., & Guerreiro, P. (2019). Sentiment analysis in online reviews classification using text mining techniques. 14th Iberian Conference on Information Systems and Technologies, CISTI, 2019-June(351). https://doi.org/10.23919/CISTI.2019.8760671

Alles, V. J., Giozza, W. F., & De Oliveira Alburquerque, R. (2018). Processamento de linguagem natural para classificação de entidades nomeadas no Diário Oficial da União Brasileiro. Iberian Conference on Information Systems and Technologies, CISTI, 1–6. https://doi.org/10.23919/CISTI.2018.8399215

Almeida, E. da C. (2011). Angola: potência regional em emergência. Lisboa: Ediçoes Colibri.

Andrade, C. S. M. de. (2015). Text Mining na Análise de Sentimentos em Contextos de Big Data. Universidade do Minho.

Azevedo, C. M. (2019). Palavras com polarização positiva e polarização negativa em dois dicionários de língua portuguesa (Relatório de estágio do mestrado em português língua não materna-língua estrangeira e língua segunda, Universidade do Minho). Retrieved from http://hdl.handle.net/1822/64676

Azevedo, M. E. (2002). O papel da OSCE e a diplomacia preventiva: uma breve abordagem conceptual. Nação e Defesa, (No103-2a Série), 111–115. Retrieved from http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/1282

Balage Filho, P. P., Pardo, T. A. S., & Aluísio, S. m. (2013). An evaluation of the brazilian portuguese LIWC dictionary for sentiment analysis. Proceedings of the 9th Brazilian Symposium in Information and Human Language Technology, 215–219. Retrieved from http://www.lbd.dcc.ufmg.br/colecoes/stil/2013/0029.pdf

Baylon, C., & Fabre, P. (1990). Iniciação à linguística (T. Verdelho, Trans.). Coimbra: Almedina.

Bittencourt, M. (2016). As eleições angolanas de 1992. Revista TEL, 7, 170–192. https://doi.org/10.5935/2177-6644.20160022

Campos, M. H. C., & Xavier, M. F. (1991). Sintaxe e Semântica do português. Lisboa: Universidade Aberta.

Carvalho, P., & Silva, M. J. (2015). Sentilex-pt: principais características e potencialidades. In S.-S. & T. Simões, Barreiro, Santos (Ed.), linguística, informática e tradução: mundos que se cruzam, Oslo studies in language (Vol. 7, pp. 425–438). Retrieved from https://www.journals.uio.no/index.php/osla/article/view/1444/1341

Chivukuvuku, A. (2006). A relação entre o processo de revisão constitucional e a realização das segundas eleições gerais em Angola. In N. Vidal & J. P. de Andrade (Eds.), O processo de transição para o multipartidarismo em Angola (pp. 321–324). Lisboa: Edições Firmamento.

Feijó, C. (2006). apresentação/comentário. In O processo de transição para o multipartidarismo em Angola (pp. 309–310). Lisboa: Edições Colibri.

Freitas, C. (2013). Sobre a construção de um léxico da afetividade para o processamento computacional do português. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 13, 1031–1059. Retrieved from http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-63982013000400004&script=sci_arttext

Freitas, L. A. de, & Vieira, R. (2015). Exploring resources for sentiment analysis in portuguese language. 2015 Brazilian Conference on Intelligent Systems (BRACIS), 152–156. https://doi.org/10.1109/BRACIS.2015.52

Gamallo, P., & Garcia, M. (2017). LinguaKit : uma ferramenta multilingue para a análise linguística e a extração de informação. LinguaMática, 9, 19–28. https://doi.org/10.21814/lm.9.1.243

Gamallo, P., Garcia, M., & Fernández-Lanza, S. (2013). TASS : A Naive-Bayes strategy for sentiment analysis on c a. Proceedings of XXIX Congreso de La Sociedad Española de Procesamiento de Lenguaje Natural. Workshop on Sentiment Analysis at SEPLN (TASS2013), 126–132. Madrid.

Gonçalves, C. P., & Ayrosa, E. A. T. (2018). Efeitos do discurso político violento, autoritarismo e envolvimento com política na intenção de voto e de engajamento na campanha: um estudo experimental. EnANPAD 2018, (October), 1–17. Curitiba.

Israel, M. (2004). The Pragmatics of Polarity. In Horn & Ward (Eds.), The Handbook of Pragmatics (pp. 701–723). https://doi.org/10.1002/9780470756959.ch31

Liu, B. (2015). Sentiment analysis: mining opinions, sentiments, and emotions. In Vegetatio. https://doi.org/10.1017/CBO9781139084789

Maia, M. I., & Leal, J. P. (2017). An emotional word analyzer for Portuguese. In R. Queirós, M. Pinto, A. Simões, J. P. Leal, & M. J. Varanda (Eds.), 6th Symposium on Languages, Applications and Technologies (SLATE 2017) (Vol. 56, pp. 1–14). https://doi.org/10.4230/OASIcs.SLATE.2017.17

Marques, M. A. (2020). Gentileza e agressão no espetáculo político contemporâneo. Revista Heterotópica, 2(1), 61–69. https://doi.org/10.14393/htp-v2n1-2020-55564

Nascimento, P. C. (2014). Dicionário de polaridade para apoio a análise de sentimento. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Pang, B., Lee, L., & Vaithyanathan, S. (2002). Thumbs up? sentiment classification using machine learning techniques. Proceedings of the Conference on Empirical Methods in NLP, 79–86. Retrieved from http://arxiv.org/abs/cs/0205070

Porto Dapena, J.-Á. (2002). Manual de técnica lexicográfica. Madrid: Arco/Libros, S.A.

Sacanene, B. (2020). Análise e funcionamento dos angolanismos no léxico do português (Tese de doutoramento, Universidade do Minho). Retrieved from http://hdl.handle.net/1822/75440

Silva, F., Silvano, P., Leal, A., Oliveira, F., Brazdil, P., Cordeiro, J., & Oliveira, D. (2018). Análise de sentimento em artigos de opinião. Revista de Estudos Linguísticos Da Univerdade Do Porto, 13, 79–114. Retrieved from https://hdl.handle.net/10216/120635

Sousa, B. de. (2006). Eleições e estabilidade. In N. Vidal & J. P. de Andrade (Eds.), O processo de transição para o multipartidarismo em Angola. Lisboa: Ediçoes Firmamento.

Souza, M., Vieira, R., Chishman, R., & Alves, I. M. (2011). Construction of a Portuguese opinion lexicon from multiple resources. Proceedings of the 8th Brazilian Symposium in Information and Human Language Technology, (November), 59–66. Cuiabá.

Taboada, M., Brooke, J., Tofiloski, M., Voll, K., & Stede, M. (2011). Lexicon-based methods for sentiment analysis. Computational Linguistics, 37(2), 267–307. https://doi.org/10.1162/COLI_a_00049

Turney, P. D. (2002). Thumbs up or thumbs down? semantic orientation applied to unsupervised classification of reviews. Proceedings of the 40th Annual Meeting of the Association for Computational Linguistics (ACL), 417–424. https://doi.org/10.3115/1073083.1073153

van Dijk, T. A. (2001). Critical discourse analysis. In D. Schiffrin, D. Tannen, & H. E. Hamilton (Eds.), The Handbook of discourse analysis (pp. 352–371). Massachusetts: Blackwell Publishers.

Yan, X., & Huang, T. (2015). Research on Construction of Tibetan Emotion Dictionary. 2015 18th International Conference on Network-Based Information Systems. https://doi.org/10.1109/nbis.2015.83

Downloads

Publicado

27-04-2024

Como Citar

SACANENE, B. . (2024). USO DO ANALISADOR DE SENTIMENTO DO LINGUAKIT NO DISCURSO DA CAMPANHA ELEITORAL ANGOLANA DE 2022. Revista Sol Nascente, 12(3), 227–246. Obtido de https://revista.ispsn.org/index.php/rsn/article/view/296